Olhares

Olhos que vagueiam curiosos

Paralisando no desconhecido

Milimetrizando detalhes

Olhos que observam sorrisos

E encontram lábios que sorriem sozinhos

Escondendo olhos repletos de tristeza

Medo, agonia e insegurança,

Consumindo pessoas incríveis

Reféns de uma inversão de valores maluca

Que tantos cultuam em vão

Assim, vejo o mundo e te vejo

Pelas frestas, pelos cantos dos quadros

E te decoro numa frequencia que já virou rotina

Rotina boa, secreta e indiscreta

Num jeito torto, jeito meu de te ganhar

Sem que você saiba, num silêncio velado

Ainda que decifre meu olhar.

Mila Odinino

Anúncios

Sobre Mila Odinino

Em permanente construção vou seguindo pela vida.... Formada em Gestão de Pequenas e Médias Empresas, amante dos processos psicológicos, poesia, música e arte!